Chuva no Maranhão: cidades registram grandes volumes em poucos dias

Publicado em

Três cidades maranhenses – Caxias, Pindaré-Mirim e Timon – registraram os maiores volumes de chuva acumulados de todo o Brasil, em quatro dias. A chuva no Maranhão e Estados do Piauí, Ceará e Rio Grande do Norte é provocada pela influência da convergência dos ventos em baixos níveis e difluência em altos níveis.

De acordo com dados do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), no período de 96 horas, a capital piauiense, Teresina, registrou o maior volume de chuva do país, 317 mm. Caxias, no Maranhão, registrou o segundo, 276 mm; seguida pelas cidades de Pindaré-Mirim (MA), 246 mm; Timon (MA), 231 mm; Moraújo (CE), 177 mm; Alto Longá (PI), 169 mm; Amontada (CE), 152 mm; Parnaíba (PI), 149 mm; Augusto Severo (RN), 126 mm; Fortaleza (CE), 110 mm; Mossoró (RN), 93 mm; e João Câmara (RN), 71 mm.

Em São Luís, a semana começou com o registro de chuva forte, provocando alagamento em diversos pontos da Região Metropolitana.

Volume de chuva acumulado em 24h (Fonte: Inmet)
Volume de chuva acumulado em 24h (Fonte: Inmet)
Chuva acumulada no mês e a média histórica (Fonte: Inmet)
Chuva acumulada no mês e a média histórica (Fonte: Inmet)

O Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) e o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) alertam sobre o risco moderado – para as próximas 72 horas, no Maranhão – de alagamentos e deslizamentos, por causa do grande acumulado de chuva, que pode alcançar até 50 mm/dia.

Orientações de segurança

Em caso de chuva forte, os moradores não devem se abrigar debaixo de árvores, pois há riscos de quedas; devem desligar aparelhos elétricos e quadro geral de energia; colocar documentos e objetos de valor em sacos plásticos bem fechados e em local protegido; revisar a resistência da sua casa, principalmente o madeiramento de apoio do telhado; não estacionar veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda, já que há risco de queda pelo vento.

Outras orientações podem ser obtidas com a Defesa Civil (pelo telefone 199) e ao Corpo de Bombeiros (193), ou na página eletrônica do Cemaden na internet.

Chuva no Maranhão: Caxias registra 2º maior volume do país

Publicado em

Um fenômeno climático conhecido como Zona de Convergência de Umidade (Zcou) provocou elevados volumes de chuva no Maranhão e outros Estados do Nordeste e Norte, no fim de semana. Caxias, município localizado no leste do Maranhão, teve o segundo maior volume de chuva de todo o Brasil. O Estado encontra-se em alerta amarelo para ocorrência de chuvas intensas nos próximos dias, segundo os principais institutos de previsão do tempo do país.

Até as 9h (horário de Brasília) deste sábado (11), a cidade de Caxias registrou 134,5 mm de precipitação, atrás somente de Piripiri (PI) – com 171,2 mm –, segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). O grande volume de chuva no Maranhão, no entanto, não fez a cidade alcançar a média histórica de precipitação (veja no gráfico abaixo). O mês de janeiro também teve chuva abaixo da média na cidade.

Chuva acumulada em Caxias (Fonte: Inmet)
Chuva acumulada em Caxias (Fonte: Inmet)

A capital maranhense, São Luís, registrou 47,6 mm de chuva nas últimas horas. No mês de fevereiro, o acumulado já alcança 136,1 mm – no 20 dia de janeiro, a média histórica já havia sido ultrapassada para o mês.

Região deve registrar altos volumes de chuva nos próximos dias
Região deve registrar altos volumes
de chuva nos próximos dias

Para os próximos dias, toda a área do oeste e interior do Nordeste têm previsão para grandes volumes de chuva, em especial nos Estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Bahia e Pernambuco.

Regiões do sertão e agreste nordestino, no entanto, devem registrar pancadas de chuva isoladas.

Chuva no Maranhão coloca Estado em alerta amarelo

A influência da Zcou na região fez o Inmet e o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), ligado ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) emitirem alertas (veja aqui e aqui) para a região sobre a possibilidade de chuvas fortes no período de 72 horas.

O aviso de chuvas intensas do Inmet alerta sobre o perigo potencial de corte de energia elétrica, risco de queda de galhos de árvores e leves alagamentos, com ventos intensos entre 40 e 60 km/h e volume de chuva entre 20 e 30 mm por hora ou até 50 mm por dia.

Já de acordo com o CPTEC/Inpe, há risco moderado para ocorrência de fenômeno meteorológico adverso dentro das de 72 horas. O centro de previsão orienta que a população acompanhe com mais frequência as atualizações da previsão do tempo para o planejamento e proteção de eventuais impactos decorrentes de tempo severo.

Orientações de segurança

Em caso de chuva forte, os moradores não devem se abrigar debaixo de árvores, pois há riscos de quedas; devem desligar aparelhos elétricos e quadro geral de energia; colocar documentos e objetos de valor em sacos plásticos bem fechados e em local protegido; revisar a resistência da sua casa, principalmente o madeiramento de apoio do telhado; não estacionar veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda, já que há risco de queda pelo vento.

Outras orientações podem ser obtidas com a Defesa Civil (pelo telefone 199) e ao Corpo de Bombeiros (193).