Por que elas preferem os comprometidos? Estudo responde ao mistério

Publicado em

É uma das poucas leis dos relacionamentos com consequência já conhecida por todos, quase uma Lei de Murphy: quando um cara está solteiro não tem muito êxito na paquera, às vezes passa totalmente desapercebido; mas bastou conseguir uma namorada, chovem novas oportunidades. Mas, afinal, por que elas preferem os comprometidos?

Elas preferem os comprometidos? Experimento comprova que sim, e explica o porquê
Elas preferem os comprometidos? Experimento comprova que sim, e explica o porquê

Um mistério bastante conhecido, talvez o maior mistério da humanidade. Se o cara já é comprometido, se torna bem mais interessante aos olhos delas, superando qualquer outro filtro de preferência, como beleza, sorriso, inteligência ou dinheiro. E para tentar desvendar esse mistério, a ciência já buscou explicações.

Um estudo publicado pela revista Revolutionary Psychology garante que, sim, elas preferem os comprometidos, ou seja, se sentem mais atraídas pelos homens que já têm namorada ou já são casados.

A pesquisa foi feita com universitárias voluntárias. Ao primeiro grupo de mulheres, os pesquisadores mostraram fotografias de homens acompanhados de mulheres, e a elas foi informado que se tratavam de alguém da família ou trabalho, como irmãs, primas ou colegas. Os comentários delas sobre as fotos foram neutros.

Já a um segundo grupo, foram apresentadas as mesmas imagens, mas a elas foi informado que tratavam-se de suas namoradas ou esposas. Nesse grupo, o comportamento das entrevistadas foi completamente diferente: elas disseram aos pesquisadores que os homens das fotos eram mais interessantes, inteligentes, divertidos, atentos e estáveis.

Scott Stanley, pesquisador autor do experimento, explica que a percepção de um grupo e outro sobre os mesmos homens muda porque, para ter uma companheira, eles devem cumprir uma série de pré-requisitos elencados anteriormente, o que significa que aquele cara é um bom candidato a uma relação estável e sólida.

O estudo concluiu ainda que elas preferem homens com alguma relação estável anterior, já que, para elas, isso pode significar maior experiência e maturidade, estabilidade emocional e até econômica.

Inclusive, completa a pesquisa, um companheiro com todos essas características pode se tornar como um ‘troféu’ àquelas que conseguiram ‘vencer na vida’.

Ciúme excessivo: insegurança e necessidade de controle

Publicado em

Ciúme todo mundo sente, uma hora ou outra da vida. “Mas o que define o ciumento é a insegurança que ele tem consigo mesmo; para tentar aplacar esse sentimento, ele vai controlar o outro para tentar minimizar essa falta de segurança”, explica a mestre em psicologia e religião pela PUC-SP, pós-graduada em psicoterapia corporal, terapia de vivências passadas (TVP), terapia artística, psicoterapia transpessoal e formação biográfica antroposófica, e líder coach Maura de Albanesi. O ciúme excessivo é um problema, e quem convive com isso precisa lidar com a insegurança.

Todo ciumento é um tremendo controlador. Ele sente o outro é sua posse, como se a outra pessoa fosse uma marionete

Ciúme excessivo: insegurança e necessidade de controle
Ciúme excessivo: insegurança e necessidade de controle

Dessa forma, o ciumento está sempre querendo invadir o livre arbítrio do outro.

A pessoa ciumenta deixa o outro ficar livre para fazer o que bem entender? Não, o outro tem que fazer tudo segundo suas regras se quiser ficar com ela. É uma chantagem, um controle e uma dominação. E isso machuca os dois no relacionamento, porque o ciumento não suporta que o outro seja livre para fazer o que bem entende

Veja outras ponderações da especialista:

Até que ponto esse ciúme pode ser normal?
Quando a gente diz que é aquele cuidado e zelo numa relação, não é aquela coisa exagerada, é uma pitadinha de ciúme… É quando a gente diz que quem gosta sente um pouco de ciúme, cuida, toma cuidado, zela por aquilo. Então, não é cercar a pessoa de cobranças e fiscalizações, mas dar atenção e afeto, que aí sim a pessoa vai ver que ela é importante

Quando se torna problema?
O ciúme se torna um problema quando ele deixa o outro rendido a essa nossa insegurança. Normalmente, o ciumento atribui a culpa da sua insegurança ao outro, dizendo assim: ‘eu sou ciumento, porque você me provocou, porque você não me disse onde estava’. O ciumento projeta toda essa insegurança no outro e faz com que essa relação seja minada numa desconfiança. Querendo ou não, o ciumento está sempre desconfiando, está suscitando a culpa no outro, então aí é que se torna um grande problema, porque vira uma relação de cobranças, inseguranças, culpas e desconfianças

Como controlar?
Não existe uma técnica para ajudar a pessoa a controlar esse sentimento. O que existe, na verdade, é a conscientização do ciumento que esse é um problema dele e não do outro e quanto mais essa pessoa não joga para o outro essa responsabilidade, ela então busca a raiz dessa insegurança tão grande e consegue tratar essa insegurança. Porque dessa forma ela vai se tornar uma pessoa mais forte, mais firme e não vai precisar tanto que o outro supra esse buraco que ela sente dentro dela. Parar de cobrar, de ligar, então o ciumento precisa frear essa ‘língua’, esse impulso e ir ficando com ele mesmo. Quanto mais isso fica com ele, isso vai causar um incomodo que vai possibilitar um olhar para a raiz; se ele ficar o tempo inteiro jogando para fora, nunca vai saber exatamente o ponto da alma dele que gera essa insegurança

Conversar
É importante, sim, as pessoas conversarem sobre isso: ‘você é livre para fazer o que você quiser e eu também sou livre para fazer o que eu quiser sobre o que você fizer’. Dessa forma, a relação se torna muito mais livre, mais solta, onde cada um cuida do seu próprio nariz e os dois encostam os narizinhos um no outro quando quiserem trocar alguma coisa de bom e não de desconfiança

Impacto na relação
Gera relações de desconfiança, de medo. Então por mais que a pessoa tente controlar o outro com esse ciúme e ter a pessoa mais próxima, ela acaba afastando a pessoa dela. A gente aguenta o ciumento por um tempo. Depois a gente não aguenta mais. Porque passa a sufocar a pessoa. Ciumento demais passa a não deixar a pessoa livre, então, quando nos rouba a liberdade, a relação fica extremamente pesada porque a gente perde a própria individualidade